Dê a sua opinião_____________________________________

Cientistas de todo país manifestam opinião favorável ao uso de células-tronco embrionárias em pesquisa.

Por Karla Bernardo Montenegro

Enquanto o Supremo Tribunal Federal não divulga sentença relativa a ação de inconstitucionalidade (ADIn) movida contra o artigo 5º da Lei de Biossegurança, as pesquisas com as células-tronco embrionárias humanas estão ameaçadas. Engajados no objetivo de esclarecer a necessidade deste tipo de pesquisa para o tratamento de várias doenças, pesquisadores de diferentes universidades do país divulgaram um manifesto contra o que eles chamaram de " informações falsas sobre células-tronco".

O principal impeditivo para o uso de tais células, na opinião dos cientistas contrários a estas pesquisas, é o julgamento ético. A pergunta: "É moralmente aceitável a destruição do embrião humano para sua utilização em pesquisas?" chegou ao STF e mobiliza a opinião pública.Para os cientistas favoráveis , não se trata de ética “não é um debate sobre ética, mas sim sobre o direito dos pais sobre um material biológico por eles gerado. Qualquer casal deve ter o direito de decidir se os embriões restantes do processo de fecundação assistida serão destruídos (uma vez que após três anos de criopreservação não poderão mais ser implantados) ou doados para fins de pesquisa. Do mesmo modo que células sangüíneas são doadas para transfusão, que células de medula óssea são doadas para transplante ou que espermatozóides e óvulos são doados para reprodução assistida, os casais devem poder optar pela doação de embriões em excesso gerados no processo de fertilização in vitro”, afirma Ricardo Ribeiro dos Santos , presidente da Associação Brasileira de Terapia Celular e pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz.

Na matéria publicada no Site do Projeto Ghente, "Início da Vida", fizemos um resumo dos argumentos apresentados na audiência pública do STF e agora divulgamos os textos disponibilizados ao Projeto Ghente pelos cientistas favoráveis ao uso de células embrionárias em pesquisas.

Opiniões:

Mayana Zatz, Pós-doutora em biologia genética pela USP, presidente da Associação Brasileira de Distrofia Muscular e coordenadora do Centro de Estudos do Genoma Humano. Clique Aqui 30 Kb (Adobe Acrobat Reader - PDF)

Júlio César Voltarelli, coordenador da Divisão de Medicina Óssea da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP), e Coordenador da Unidade de Transplante de Medula Óssea da USP. Clique Aqui 15 Kb (Adobe Acrobat Reader - PDF)

Stevens Rehen, PhD, professor da UFRJ, pesquisador do Scripps Research Institute (Califórnia - EUA) e presidente da Sociedade Brasileira de Neurociências. Clique Aqui 4.012 Kb (Adobe Acrobat Reader - PDF)

Rosália Mendez Otero, professora titular de Biofísica e Fisiologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Clique Aqui 41 Kb (Adobe Acrobat Reader - PDF)

Ricardo Ribeiro dos Santos, pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz/Bahia e coordenador científico do Hospital São Rafael. Clique Aqui 18 Kb (Adobe Acrobat Reader - PDF)

Lygia V.Pereira, professora associada do Departamento de Genética e Biologia Evolutiva da USP. Clique Aqui 19 Kb (Adobe Acrobat Reader - PDF)

Luiz Eugênio de Moraes Mello, vice-presidente da Federação das Sociedades de Biologia Experimental e professor de fisiologia da Unifesp. Clique Aqui 23 Kb (Adobe Acrobat Reader - PDF)

Antonio Carlos Campos de Carvalho, Professor Titular do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho- UFRJ, Coordenador de Ensino e Pesquisa do Instituto Nacional de Cardiologia e Coordenador Nacional da Pesquisa sobre Terapias Celulares em Cardiopatias do Ministério da Saúde. Clique Aqui 29 Kb (Adobe Acrobat Reader - PDF)


Dê sua opinião:

Nome:
Profissão/ocupação:
E-Mail:
Comentários:

¹ Seu comentário será incluído em até 48 horas
² Evite fazer comentários com mais de 1000 caracteres

Saiba Mais

- Câmara dos EUA aprova estudos com célula de embrião Publicada em 07/06/2007 no Estadão.com.br

- Cientistas transformam células comuns em células-tronco Publicada em 06/06/2007 no Estadão.com.br

- Em consulta pública inédita, Supremo Tribunal Federal (STF) convoca vinte e dois especialistas para falar sobre o tema "Início da Vida". Veja aqui resumo dos pontos de vista apresentados.

- Leia a entrevista com o sub procurador geral da República, Dr. Cláudio Fonteles, após a consulta pública sobre o "ínício da vida"

- A Ciência ou o Lixo. Artigo de Luís Roberto Barroso, professor titular de direito constitucional da UERJ e advogado do MOVITAE – Movimento em prol da vida, sociedade sem fins lucrativos que defende no STF as pesquisas com células-tronco embrionárias. 16 Kb (Adobe Acrobat Reader - *.pdf)

- Manifesto: Cientistas se unem para combater onda de informações falsas sobre células-tronco 17 Kb (Adobe Acrobat Reader - *.pdf)